Previsto para entrar em vigor em janeiro de 2018, o eSocial ainda é motivo de preocupação para muitas empresas. Mesmo depois de várias idas e vindas e o adiamento, por algumas vezes, da data de adoção obrigatória do programa, ainda há empresas que não estão preparadas para utilizar a ferramenta de gestão de pessoas do governo federal.

Entretanto, não há o que temer. Diferentemente do que muitas pessoas têm pensado, o eSocial não mudará a legislação, assim como fez a Reforma Trabalhista recentemente.

A principal função do sistema é, na verdade, tornar o banco de dados do governo mais confiável, para que não haja fraudes e, assim, seja possível garantir que todos os trabalhadores terão acesso aos seus direitos e benefícios assegurados por lei.

Quais são as vantagens do eSocial para as empresas?

São muitas as vantagens do eSocial para as empresas. Depois da adoção obrigatória do sistema, os registros internos estarão sempre atualizados, já que qualquer mudança precisa ser comunicada quase instantaneamente para o governo. Isso trará mais organização e eficiência para as organizações.

Como os arquivos estarão sempre atualizados, será mais fácil consultar dados sobre qualquer empregado para prestar contas ao governo, já que a disponibilização das informações será imediata. Além disso, o eSocial subsidiará a geração de guias de recolhimentos do FGTS e de outros tributos, evitando que haja erros de cálculo na elaboração desses documentos.

Por onde começar?

É claro que todas essas mudanças estão exigindo, e vão exigir ainda mais, trabalho e dedicação das empresas. Pois, como é sabido, nem sempre os registros são feitos no mesmo tempo em que os fatos acontecem na vida real.

Isso demandará mais organização e disciplina dos profissionais envolvidos, para que as coisas funcionem como precisarão funcionar: com rapidez, eficiência e mais transparência.

Por isso, o melhor caminho para as empresas hoje é compreender todas as funcionalidades do eSocial e colocá-las na prática para que, quando a ferramenta passar a ser obrigatória, as organizações não encontrem dificuldades para gerir a nova ferramenta.